Carregando Eventos

« Todos Eventos

  • Este evento já passou.

Exposição “Legado Perdido” de Adeline Rapon

28 março - 25 maio

Março é o mês da Francofonia na Aliança Francesa! A programação especial deste ano contará com a abertura da exposição “Legado Perdido” da fotógrafa francesa de origem martinicana Adeline Rapon. Com destaque para sua série de autorretratos “Fanm Fò”, uma reconstrução de imagens de arquivo de mulheres das Antilhas. Realizada com apoio da Embaixada da França no Brasil, a abertura da mostra acontecerá no dia 28 de março, às 18h30, com a presença da artista, e segue em cartaz até 25 de maio. A entrada é gratuita com distribuição de ingressos pela plataforma Sympla.

A mostra reúne 37 obras que fazem uma reflexão sobre a história e a cultura da Martinica, departamento ultramarino francês no Caribe.

Adeline Rapon é fotógrafa de origem martinicana através de seu pai. Ela começou sua carreira como blogueira em 2008, tornando-se uma das primeiras na França. Ela também seguiu carreira como designer de joias até 2020. Atualmente, ela tem mais de 70.000 seguidores no Instagram e trabalha regularmente para personalidades dos setores da moda e do documentário, desenvolvendo também um trabalho de ativismo.

Em 2020, produziu a sua série de autorretratos “Fanm Fò”, onde criou um jogo de espelhos com postais do século XIX das Antilhas – nome dado às ilhas do Mar do Caribe, questionando a sua identidade como mulher mestiça da Martinica enquanto aborda a questão do lugar da mulher nas Antilhas. Este trabalho foi exposto em Rond-Point (Fort-de-France) em 2020 e no Rencontres Photographiques du 10e (Paris), em 2021. 

A exposição também apresenta as séries “Vie et Mort” (Vida e Morte) e “Lien.s” (“Elos”), ambas com foco na população e na cultura martinicana. “Vie et Mort” apresenta seis fotos que discutem as tradições e a herança martinicana à partir das celebrações do Dia de Todos os Santos e do personagem Alain  Légarès, contador de histórias da Martinica. Já “Liens” se propõe a dar visibilidade à população LGBTQIAP+ da Martinica e os desafios encontrados por eles, tendo sido Adeline convidada pelo Rond-Point des Arts (Fort-de-France, Martinica) para realizar esse projeto em fevereiro de 2023.

A fotógrafa

Adeline Rapon nasceu em Paris em 1990, filha de mãe de Corrèze e pai da Martinica. Sua jornada artística começou com estudos em literatura e história da arte. Desenvolveu então competências diversificadas em desenho, pintura, escultura, cenografia e fotografia, que alimentou através de leituras e visitas a exposições.

Em 2008 ela criou um blog combinando fotografia, arte e moda e se tornou uma das primeiras blogueiras influentes.

Em 2011, Adeline ingressou na Haute Ecole de Joaillerie em Paris. Ela então praticou design de joias, escultura e trabalho em metal. Posteriormente, ela aprendeu design e desenvolvimento de linhas, bem como design 3D. Foi como aprendiz e depois numa oficina de joalharia que co-desenvolveu linhas de jóias para vários criadores.

Ao mesmo tempo, ela continua sua atividade no Instagram, com 70 mil seguidores, um lugar para partilhar o seu trabalho fotográfico, de escrita e militante.

Em 2020, Adeline optou por se dedicar integralmente a isso e criou seu próprio negócio. Desenvolve parcerias com marcas, mas dedica-se muito mais à fotografia de personalidades, moda e documental ao mesmo tempo que afirma os seus valores e o seu compromisso feminista, queer e decolonial .

Entre outras coisas, ela exibe sua série Fanm Fô em 2020 na Martinica e depois em 2021 em Paris para os Rencontres Photographiques du 10e , sua série Renaissance em 2022 na galeria Fabrique Contemporaine e depois no Café Mona .

No final de maio de 2022, lançou uma história em quadrinhos co-escrita com Emilie Gleason, “ Ébouriffant.es ” , publicada pela Le Nouvel Attila.

Em 2023, integra o júri do Prix Utopi·e , prêmio dedicado a artistas LGBTQIA+ contemporâneos.

Expõe na Martinica um trabalho fotográfico: “Lien·s”, reunindo histórias da comunidade LGBTQIA+, produzido no local e financiado pelo Rond-Point des Arts.

Em setembro de 2023, durante uma residência artística financiada pela Maison de l’Architecture Martinique, produziu uma série documental sobre a cidade de Saint-Pierre intitulada “Saint-Pierre não é uma ruína” , exibida até ao final de dezembro na “Ginguette “.

 

Fanm Fò

A série “Fanm Fò” (“Mulheres Fortes” em crioulo) é composta por 36 autorretratos tirados por Adeline Rapon durante o confinamento de março de 2020 e compartilhados simultaneamente em seu Instagram, uma reconstrução de imagens de arquivo de mulheres caribenhas que datam de final do século 19. Neste jogo de espelhos e imitações, a fotógrafa questiona e procura a sua própria herança ao abordar a questão do lugar da mulher nas Antilhas.

“Negra da Martinica”, “Mulata de cabelos macios”, “Tipo de mulher de Guadalupe” designam mulheres anônimas, fazendo pose, algumas com os olhos perdidos, outras desgrenhadas. Na sua maioria retirados de postais, estes retratos antigos apresentam figuras reais, muitas vezes fantasiadas, e apresentam-nas como um ponto de venda para o turismo emergente, destacando o Império Colonial Francês no poder até 1945 na Martinica, Guadalupe e na Guiana. Este tipo de imagens foi recorrente em todas as colônias francesas, criando uma imagem estereotipada dos países africanos e asiáticos na França.

O jogo de comparação entre o autorretrato reconstruído e a fotografia original leva a uma melhor percepção do modelo anônimo. Ao acentuar a diferença entre o presente e o passado, uma dupla narrativa toma forma: de um lado, um quotidiano congelado entre as paredes de um apartamento parisiense, do outro, as pessoas anônimas encerradas numa imagem colonial, produzida principalmente em estúdio.

A série abre então para escapar ao miserabilismo do imaginário doudouísta, primeiro com a figura ilustre de Paulette Nardal, muitas vezes deixada de lado, mas também a da bisavó da fotógrafa. Várias mulheres das Antillas fizeram carreira na França no início do século 20 e este final da série é dedicado a elas na forma de “femmage” (homenagem de uma mulher à outra mulher).

Inscrições para a abertura vis Sympla: Inscreva-se aqui

Local

Aliança Francesa de Botafogo
Rua Muniz Barreto, 730
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro 22251090 Brasil
+ Google Map

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Imagem da rapper Juste Shani abaixada cantando. Ela é uma mulher negra, com tranças no cabelo e está abaixada cantando, com um microfone na mão.